palestra linguagem

palestra linguagem

domingo, 15 de maio de 2011

VIDAS SECAS: UM RETRATO DO NORDESTE DA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

1. Descreva e comente a respeito da dificuldade de comunicação que os personagens (família de Fabiano) encontram e como isso pode prejudicar suas vidas. ou
2. Comente o caráter engajado (denúncia social) presente na obra e responda se a mesma ainda pode ser considerada atual em sua temática?

7 comentários:

  1. Formado por treze capítulos que se justapõem sem nexos lógicos, o enredo de Vidas Secas organiza-se principal-mente pela proximidade entre o primeiro Mudança – a chegada da família de retirantes a uma velha fazenda abandonada e arruinada – e, o último, Fuga – a saída da família, que, diante de um novo período de seca, foge para o Sul.
    Apesar do título o livro não retrata a seca no Nordeste, ele retrata a vida das pessoas que é seca e pra atenuar essa imprensão o autor põe todo mundo no Nordeste, mas o livro não é sobre o Nordeste em si.
    O narrador não quer identificar-se ao personagem, e por isso há na sua voz uma certa objetividade de relator. Mas quer fazer as vezes do personagem, de modo que, sem perder a própria identidade, sugere a dele. É como se o narrador fosse, não um intérprete mimético, mas alguém que institui a humanidade de seres que a sociedade põe à margem, empurrando-os para as fronteiras da animalidade.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Há uma certa dificuldade de comunicação em relação ao conhecimento de fabiano que se considera ignorante (Burro). Por outras pessoas se expressarem bem alguns se sentem abaixo do nível social.
    Podemos destacar justamente essa temática da visão de fabiano sobre a forma de se expressar e que hoje ainda é uma grande marca na sociedade.
    Algumas pessoas se acham inferiores por outras possuirem uma linguagem mais gabaritada e isso foi um marco do livro que segue ate os dias atuais.

    CBC 3B

    ResponderExcluir
  4. Nordestino pobre, ignorante que desesperadamente procura trabalho, bebe muito e perde dinheiro no jogo. Fabiano tenta, mas não consegue se comunicar. Como os animais, a família de Fabiano praticamente não tinha linguagem. Contando apenas com o instinto de sobrevivência, ele – um cabra vermelho, curtido pelo sol, é vencido por um soldado raquítico que o desafia para uma partida de baralho. Humilhado, Fabiano chega a ser preso e não consegue se defender: a fragilidade de linguagem impede a possibilidade de divulgar a injustiça que sofrera e ele lamenta viver como um bicho, sem ter frequentado à escola.

    Bárbara Fernanda 3º A

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Narrado em 3ª pessoa Vidas Secas pertence a um gênero intermediário entre romance e livro de contos. Nesta obra não é a personagem que ressalta nele, mas o narrador que se faz sentir pelo discurso indireto, construído em frases curtas, incisivas, enxutas, quase sempre em períodos simples. A obra pertence a um gênero intermediário entre romance e livro de contos. Possui 13 capítulos até certo ponto autônomos, mas que se ligam pela repetição de alguns motivos e temas, como a paisagem árida, a zoomorfização e antropomorfização das criaturas. Os personagens possuem dificuldades lingüísticas, mas é consciente delas. Por não saberem se expressar entram num processo de isolamento, aproximando-se dos animais, com os quais se identificam melhor.

    Colégio Cenecista Nossa Senhora Do Bom Conselho. Mayara camila Santos Silva. Nº 32 Série: 3º Ano “A”

    ResponderExcluir
  7. Vidas Secas é um romance de Graciliano Ramos, escrito entre 1937 e 1938, publicado originalmente em 1938.
    aborda uma família de retirantes do sertão brasileiro condicionada a sua vida subumana, diante de problemas sociais como a seca, a pobreza, e a fome, e, consecutivamente, no caleidoscópio de sentimentos e emoções que essa sua condição lhe obriga a viver e a procurar meios de sobrevivência, criando, assim, uma ligação ainda muito forte com a situação social do Brasil hoje.
    Os participantes da história são: Fabiano o chefe da família, homem rude e quase incapaz de expressar seu pensamento com palavras; Sinhá Vitória, sua mulher com um nível intelectual um pouco superior ao do marido que a admira por isto; O menino mais novo, quer realizar algo notável para ser igual ao pai e despertar a admiração do irmão e da Baleia, a cadela; O menino mais velho, sente curiosidade pela palavra "inferno" e procura se esclarecer com a mãe, já que o pai é incapaz; A cadela, Baleia, e o papagaio completam o grupo de retirantes, na história; Representando a sociedade local, na história, estão o soldado amarelo, corrupto e arbitrário, impõe-se ao indefeso Fabiano que o respeita por ser representante do governo; Tomás da Bolandeira, dono da fazenda, onde a família se abrigou durante uma tempestade, e homem poderoso da região que impõe sua vontade.
    É figura entre os livros mais importantes da literatura brasileira, tendo ganhado, em 1962, o prêmio da Fundação William Faulkner (EUA) como livro representativo da Literatura Brasileira Contemporânea.


    Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho
    Aluna: Márcia Carolline Silva Vieira Nº:29
    3º "A"

    ResponderExcluir